26 de mar de 2009

Seja Bem-Vindo Professor Almir!!


Nesta semana em que estamos apoiando a “Hora do Planeta”, campanha de conscientização sobre a nossa responsabilidade pelo presente e futuro da Terra, obviamente o futuro da humanidade. A Hora do Planeta nos convida à apagarmos as luzes durante 60 minutos, no dia 28 de março:o planeta Terra agradece esse simples gesto de consciência e amor.

É neste clima de declaração de amor a vida, ao planeta, a humanidade que recebemos em nosso blog, mais um colaborador, que é muito, muito bem-vindo! Trata-se do Professor Almir Ferreira, que a partir de hoje, irá nos abrilhantar com os seus textos, pensamentos e poemas, sempre reflexivos, cheio de sabedoria, de uma orientação espiritualista sobre a vida.

Obrigada pela sua presença nesta casa virtual, igualmente, por ser mais um companheiro de jornada da nave chamada Terra.

Namastê!

Confira, a postagem abaixo, a tenra poesia com o título: “ A Terra” e o perfil do nosso convidado.

Bahia, 26 de março de 2009.
Visite o site Hora do Planeta: www.wwf.org.br

A Terra


Por Almir Ferreira*
Um pingo d’água impuro, finito,
Singra o espaço infinito,
Aberto, imenso, em silêncio
Segue em movimento astral.

Sua trajetória elíptica, que lhe é imposta,
Traçada, porque movido e atraído,
Iluminado, por forte foco solar.

Sem medo, altaneiro,
Se aproxima sempre decidido,
Se anima, contorna, o vulcão superstar.

Mas é preciso coragem
Para repetir viagem,
Em trajetória estelar.

Perfil: Almir Ferreira é Mestre em Economia, Bacharel em Ciências Contábeis, Advogado e Professor Universitário. Há 35 anos é Kardecista, doutrinador espírita da Casa da Fraternidade,localizada no Bairro da Boca do Rio – Salvador – Bahia. Colaborador do Blog Toque do Anjo.
Imagem:http://www.dreamstime.com/free-photos

25 de mar de 2009

Hora do Planeta 2009


WWF.Brasil
A Hora do Planeta é um ato simbólico no qual governos, empresas e a população de todo o mundo são convidados a demonstrar sua preocupação com o aquecimento global e as mudanças climáticas. O gesto simples de apagar as luzes por sessenta minutos, possível em todos os lugares do planeta, tem o significado de chamar para uma reflexão sobre o tema ambiental.

Conhecido mundialmente como Earth Hour, a Hora do Planeta será promovida no País pela primeira vez pelo WWF-Brasil e conta com a adesão e apoio do Rio de Janeiro , a primeira cidade brasileira a aderir à iniciativa.

Em 2009, a Hora do Planeta será realizada no dia 28 de março, das 20h30 às 21h30, e pretende contar com a adesão de mais de mil cidades e 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. Mais de 170 cidades de 62 países já confirmaram sua adesão à Hora do Planeta.

Realizada pela primeira vez em 2007, a Hora do Planeta contou com a participação de 2,2 milhões de moradores de Sidney, na Austrália. Já em 2008, o movimento contou com a participação de 50 milhões de pessoas, de 400 cidades em 35 países. Simultaneamente apagaram-se as luzes do Coliseu, em Roma, da ponte Golden Gate, em São Francisco e da Opera House, em Sidney, entre outros ícones mundiais.

Cadastre-se já no site Hora do Planeta e participe também deste movimento.

Visite: www.wwf.org.br
Texto do extraído do site: http://www.earthhour.org/about/br:pt-BR
Vídeo:www.youtube.com/WWF-Brasil
OBS: Vídeo e todo conteúdo desta postagem são propriedades intelectuais da WWF-Brasil.

20 de mar de 2009

Viagem para dentro de si...


"Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje, porque cada dia que você viver será uma ocasião especial".
Procure Deus...
Conheça-o!

Slides com os devidos créditos para os autores.

Milagres...


Esta semana, uma pessoa que estava próxima de mim declarou que “estava cansada da vida”. Fiquei triste ao escutar aquela frase! Como a pessoa não se dirigia a mim, e estávamos num ambiente de trabalho, não me foi possível ir até ela para conversarmos sobre o “desabafo”. Confesso que passei o resto do dia com a ressonância da frase na cabeça e preocupei-me com aquela “irmãzinha espiritual”.

Fiquei imaginando o porquê a teria levado a fazer tal afirmação. Pelo pouco que a conheço, não somos íntimas; na verdade existe uma grande distância entre nós, mas até onde eu sei, ela é uma pessoa privilegiada na vida, em termos financeiros, materiais, estudos, família, viagens, cargos importantes que já exerceu e exerce. Igualmente sei de problemas de saúde que enfrentou na família e que ela mesma já passou ou passa. Não é de agora que percebo nela certa apatia e falta de energia.

Aqui não emito juízo de valor; ao contrário, quem sou eu para julgar, apontar alguém... Não conheço a bagagem kármica, estágio de evolução espiritual, bem como não sei o nível vibracional em que ela se encontrava naquele momento.

O que eu penso, e entendo, é que, em qualquer circunstância da vida, deve-se ter fé; quando se tem fé no Criador, percebe-se tantos milagres na vida que não sobra tempo para ficar desanimado.

Vejo milagres todos os dias: o dia amanhecendo e o sol brilhando, o ocaso e a noite com as estrelas luzindo, a terra girando sem sair do seu eixo; pessoas amando-se, outras superando dificuldades e limitações físicas, crianças nascendo, as células do corpo se renovando, a ciência se reinventando, a chuva caindo, músicas, flores e pássaros para alegrar e colorir a vida. São tantos milagres, grandes e pequenos, simples e complexos, que mesmo ao meio da turbulência em que vive o homem, eles, os milagres, não passam despercebidos por aqueles que têm sensibilidade e enxergam a beleza nas simples coisas e atos da natureza.

Sei que nem tudo é poesia, se assim o fosse, não estaríamos nessa viagem chamada vida, nem nessa escola chamada terra. Tenho a consciência dos deveres kármicos e espirituais, os quais cada um de nós tem a cumprir ou resgatar, como também sei que os atos e atitudes que uma pessoa adota diante da vida, perante o seu semelhante contam muito para modificar a faixa vibratória em que esta se encontra, positiva ou negativamente. Sem falar que o padrão de pensamentos influencia para o mal ou bem-estar de uma pessoa.

No meio da escuridão nasce a luz, em meio ao horror, à morte e destruição pelas bombas atômicas que atingiram Hiroshima e Nagasaki (Japão), há um dos mais belos milagres da criação; resistentes aos efeitos radioativos daquelas bombas, as árvores Kaki Japonesas (diospireiros) permaneceram incólumes ao bombardeio, representando um desafio para a ciência. A natureza não perdeu a fé e a vida se renova; quantos milagres o Criador propicia à criatura!

Laddy Foppa consegue assinalar a beleza e os milagres das coisas mais simples que nos circundam permanentemente, no poema singelo, mas admirável, chamado Milagres:

Milagres...

“Milagre para mim, é ver a chuva molhar os campos
e recender aquele cheiro bom de terra molhada,
cheiro de banho de natureza,
que faz brotar sementes e até sonhos...

Milagre é olhar o céu e ver aquele mundão de estrelas, ali,
tudo juntinha sem competir,
sem se esbarrar e sem nenhuma
empatar o brilho da outra...

Milagre é essa diversidade de flores que Deus planta
pra aqui e pra acolá,
só para colorir o caminho da gente,
assim como quem não quer nada,
mas querendo nos ver feliz...

Milagre é tudo o que o homem inventou
com a inspiração que Deus deu a ele:
telefone, luz elétrica, rádio, Tv, cinema, etc,
eu não sei como isso funciona nem quero aprender,
mas que é milagre... É!

Milagre é o que a genética faz:
de uma coisa piquititinha de nada,
cria um embrião que vira pessoa
e que Deus aprova,
porque a alma é Ele que coloca...

Milagre para mim, é esse mundão
sem porteira, sem eira,
sem ter um canto para o vento fazer a curva,
sem ter começo delimitado, nem fim...

Milagre é quando olho para meus filhos
e vejo traços físicos meus,
quando adentro suas almas
e vejo traços de anjos,
ai eu agradeço a Deus
infinitas vezes, por esse milagre...

Milagre é a inocência das crianças
que falam na cara da gente o que pensam.
Pequeno Buda de seis anos,
falou que Deus presta porque
faz nuvens com formas de bichinhos fofos...

Milagre é acordar de manhã,
abrir a janela e ver o amanhecer lindo que Deus coloriu,
cada dia de um jeito,
faz tudo com capricho e carinho.
Ah, acordar já é milagre,
e dos maiores...

Milagre é quando Deus esquece
de dar um irmão pra gente,
ai Ele acode e dá um irmão como nome de amigo,
esse é um dos milagres que eu adoro receber...

Milagre é o arco íris com aquele tantão de cor
e ainda por cima,
com um pote de ouro no final,
um dia acontece um outro milagre
e eu encontro o pote...

Milagre é quando alguém que amamos,
sem querer, ou querendo,
despedaça o nosso coração
em fantastilhão de pedaços,
e a gente pensa que vai morrer.

Ai aparece alguém com uma cola mágica
e conserta tudo.
Que bom que esse milagre existe!

Milagre é um doador de órgãos,
pois quando Deus chama para voltar para casa,
só chama o espírito,
e esse espírito chega perfeito,
se do corpo ficar algo
é para aperfeiçoar uma outra vida...

Milagre é a natureza que a neve mata ou o fogo destrói,
ai nasce tudo de novo, sem se importar
se vai ser destruída novamente,
acho esse milagre lindo!

Milagre é quando vejo pessoas
ajudando as vítimas da fome,
do frio, do desabrigo e do desamor,
tem gente que chama isso de solidariedade,
eu chamo isso de milagre...(...)”


Como eu gostaria de poder colocar a nossa “irmãzinha espiritual” no colo e contar-lhe todos esses milagres, alicerçados no amor, na fé, na gratidão pelas dádivas ofertadas pelo Criador, somente para refrigerar e alegrar a sua (nossa) alma...

Ela, talvez, não sentiria mais o “cansaço da vida”, pois esta, em vez de espiritualmente empobrecida, experimentaria a riqueza do milagre, que nela existe.

Beijos no coração,
Bahia, 20 de março de 2009.
Simone Anjos
Laddy Foppa é uma poetisa goiana. Conheça seus poemas: http://www.e-bookspetropolis.com.br/PPS_relacao.htm
Imagem:http://www.dreamstime.com/free-photos

15 de mar de 2009

O curioso caso de Benjamin Button, o filme.


Vivemos fases cronologicamente determinantes em nossas vidas. Determinantes para aproveitarmos todas as etapas que a vida, sabiamente, nos faz cumprir, para o nosso bem, para o nosso crescimento como ser humano e espiritual: ser criança, viver ludicamente esse momento pueril, o engatinhar, o aprender andar, balbuciar palavras, nos deparar com o mundo gigante ao nosso redor. Depois vem o período da adolescência, do primeiro beijo, do amor de verão, dos arroubos juvenis, das descobertas. Seguimos na fase jovem, das baladas, “do ficar”, sem nos preocuparmos com as coisas sérias da vida, tudo o que queremos é viver, viver e viver.

Entramos em outro ciclo: da responsabilidade, faculdade, primeiro emprego, namoro sério, casamento, filhos, não necessariamente nesta ordem. Chegam às estações madura e idosa, com suas conquistas e dissabores.

Essas ocasiões ocorrem tranquilamente para aqueles que “vivem uma vida normal”. As aspas são para salientar que não há normalidade, nem anormalidade. Há circunstâncias e experiências e visão de mundo para cada um de nós.

O cinema nos oferece uma oportunidade de reflexão sobre todos esses momentos e circunstâncias da vida, com o filme: “O curioso caso de Benjamin Button”. Uma excelente película de David Fincher, adaptado do conto de F. Scott Fitzgerald (escrito em 1922), que leva o mesmo nome. O filme conta a história de Benjamim Button (Brad Pitt que, por sinal, está magistral) que nasce na condição de idoso, com 80 anos e faz o caminho inverso, rejuvenescendo a cada dia. As circunstâncias em que nasce a criança (velho), a sua história de vida, conquistas, descobertas, perdas e despedidas, levam-nos a pensar sobre questões que nos fazem nobres, de espírito e de caráter: o perdão, a entrega, o amor.

Como um Ser que já nasce “idoso”, enfrenta as vicissitudes que a velhice acarreta; todavia, a nobreza da sua “Alma” está ali, pulsante, esperando o momento mágico, da metamorfose. Trechos do filme que nos tocaram profundamente:

“Nunca sabe o que lhe espera.
Nunca sabe o que exatamente lhe espera”

“Bem podes ficar chateado da forma como as coisas ocorreram.
Podes praguejar, podes falar mal do seu destino...
mas quando chegas ao fim,
tens que se comportar à altura.

Podes ficar irado como um cão raivoso,
da forma como as coisas aconteceram...
podes praguejar e amaldiçoar o destino...
mas quando chegas perto do fim...
tens que perdoar.”

Por conseguinte, os leitores só irão entender, claramente, os fragmentos citados, quando assistirem ao filme que emociona, que encanta e que transforma o nosso olhar perante cada lance de nossa existência. Imaginem-se vivendo da velhice para infância, o inverso do que fez o Criador...

Confiram!

Abraços fraternos,
Simone

Filme: O curioso caso de Benjamin Button
The Curious Case of Benjamin Button
EUA, 2008 - 166 min.
Categoria: Drama
Direção: David Fincher
Roteiro: Eric Roth
Elenco: Brad Pitt, Cate Blanchett, Julia Ormond, Tilda Swinton, Faune A. Chambers, Elias Koteas, Donna Du Plantier, Jason Flemyng, Joeanna Sayler, Taraji P. Henson, Mahershalalhashbaz Ali, Fiona Hale.

Leia também: O Filme Energia Pura sob a ótica de Elaine Reis

11 de mar de 2009

De volta para Casa


Compreender o sentido da vida
é fazer uma viagem
de volta para casa,
é amar a si mesmo,
é amar o irmão,
com suas diferenças,
suas angústias e suas imperfeições.

Não julgar é a tônica da redenção.
Compaixão é a salutar fragrância que,
perfuma e refresca os corações endurecidos,
pelo erro, pela luta,
pela busca e pelo desencontro...

Perdoar, sublime amor que liberta
da dor, da solidão, do desespero.

O amor une, resgata a vida,
transporta o espírito de volta à Mônada.
Eleva o Ser à verdadeira Luz,
ao retorno para o Criador.


Bahia, 11 de março de 2009.
Poema de nossa autoria

BlogBlogs.Com.Br
Imagem: http://www.dreamstime.com/free-photos

6 de mar de 2009

Simplesmente mulher...


O dia 8 de março foi instituído o Dia Internacional da Mulher em homenagem as conquistas alcançadas pelas mulheres em diversas áreas como: econômica, política e social. Em 8 de março de 1857, um grupo de operárias, das indústrias têxteis e vestuário, iniciou vários protestos denunciando longas jornadas de trabalho, ambiente de trabalho insalubre, bem como baixos salários. A luta das mulheres por respeito aos seus direitos trabalhistas e políticos e sociais, equiparação salarial aos salários recebidos pelos trabalhadores do sexo masculino, exercendo a mesma função, vêm de longas datas.

Sobre o dia 8 de março, há muitas controvérsias, a data que ficou marcada na história como o dia em que trabalhadoras foram trancadas e queimadas pelos patrões, em uma fábrica têxtil de Nova Iorque, alguns historiadores dizem que esse fato não aconteceu no dia 8 de março de 1857. Aconteceu um acidente, em 25 de março de 1911, ocasião em que morreram 146 pessoas (maioria mulheres) vítimas de um incêndio causado pela falta se segurança e de estrutura precária da fábrica têxtil onde trabalhavam.

Ressaltamos, também, um episódio (entre tantos) que mostra a força que as mulheres possuem, quando unidas. Em 8 de março de 1908, 15 mil mulheres saíram nas ruas de Nova Iorque, dando continuidade aos protestos e reivindicações por condições mais dignas no ambiente de trabalho, melhores salários e direito a voto.

Essas polêmicas de datas e fatos, não tiram o mérito daquelas mulheres guerreiras, precursoras da luta pelo nosso lugar, mais do que digno, dentro da sociedade.

E a luta continua, pois, todos os dias são feitos pelas Anas, Marias, Joanas, Dulces, Terezas e de uma infinidade de seres maravilhosos, chamados “Mulher”.

Mulher...
Ser multifacetado, que diariamente cumpre tantos papéis:
Mãe, irmã, filha, tia, sogra, nora, amante, esposa, companheira, amiga, dona de casa, empresária, executiva, guerreira..
Porém, sem jamais perder a ternura,
Simplesmente por ser Mulher
.

Eis a nossa homenagem ao Dia Internacional da Mulher, com uma bela canção imortalizada por John Lennon “Woman”, confiram o vídeo.

Beijos na Alma.

Leia também:A mulher no seu dia internacional


Sites pesquisados:
http://www.piratininga.org.br/publicacoes/mulher-miolo.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_Internacional_da_Mulher


Vídeo: http://www.youtube.com/

A mulher no seu Dia Internacional


Adão de Assunção Duarte*

Desde o ano de 1975, o 8 de março passou a ser comemorado como o Dia Internacional da Mulher, pela Organização das Nações Unidas.

Como se originou essa importante data? No distante ano de 1857, no referido dia 8 de março, mulheres obreiras, operárias de uma fábrica têxtil de Nova Iorque entraram em greve e ocuparam a fábrica reivindicando a redução da jornada de trabalho de 16 para 10 (dez) horas. Destaque-se que as referidas operárias ganhavam menos de um terço do que ganhavam os homens. Fecharam-se fábricas onde estourara um incêndio e cerca de 130 mulheres pereceram queimadas! In Internet, portaldafamília.org.

Já em 1903, profissionais liberais norte-americanas fundaram a Women´s Trade Union League, uma Associação com o objetivo principal de ajudar, colaborar para que todas as trabalhadoras conseguissem mais justas e melhores condições de trabalho e, consequentemente, de vida. Já no ano de 1908, muito mais de 14 mil mulheres enchiam as ruas de Nova Iorque, em passeata, marchando e reivindicando tudo aquilo que fora pleiteado pelas operárias de 1857 e mais o direito de voto. Noticia-se que elas, nessa fase, divulgavam o Slogan “Pão e Rosas” (pão significando estabilidade econômica e rosas significando melhor qualidade de vida, in Web, portaldafamília.org).

Todavia, é em 1910, que, numa Conferência Internacional de mulheres, realizada na Dinamarca, decidiu-se, em homenagem ao esforço e luta daquelas mulheres, comemorar o 8 de março como o Dia Internacional da Mulher e se continuou comemorando até nosso tempo. A mulher merece.

Com todos esses anos de comemoração, com todos esses anos de democracia, com todos esses anos de desigualdade e condições difíceis, a mulher continua sofrendo discriminação (ainda os salários menores que os do homem, ainda as domésticas discriminadas nos direitos sociais e humanos) e sendo vítima da violência ao ponto de, no Brasil, como é praxe produzirem-se leis casuísticas etc, ter sido aprovada uma lei específica para o combate da violência praticada contra mulheres, a chamada Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340 de 07.08.2006). Mesmo assim, pela notícia dos últimos meses, a diminuição desse tipo de violência ainda não ocorreu como se esperava após mais de dois anos e meio da sanção da referida lei. A cidadania, apesar de fundamento do Estado de Direito no Brasil (art. 1º, inciso II da Constituição) está desrespeitada e frágil.

A violência deve ser combatida e vencida com a educação verdadeira, o esporte, o trabalho (emprego) e o amor incondicional. Por isso mesmo, vamos lembrar, nesses dias de homenagem a mulher, um nome máximo entre seres humanos que foi exemplo e vida que enalteceu o amor, sobretudo com o viver diário e não apenas com palavras e teorias: Madre Teresa de Calcutá...

Madre Teresa de Calcutá foi considerada por um dos grandes Secretários Gerais da ONU “a mulher mais poderosa do mundo”, pelo poder de suas ações de amor universal. “Ganhou o Premio Nobel da Paz em 1979 e antes já ganhara os mais altos prêmios do mundo: desde os prêmios João XXIII da Paz, Balzan, Kennedy, Templeton, o da FAO e o Albert Schweitzer, até os prêmios mais prestigiosos da índia, como o Pandi Shi (“Ordem do Lótus”), concedido pelo Pandit Nehru, e o Magsaysay que a proclamou “a mulher mais benemérita do mundo” (in A Mulher mais poderosa do Mundo, Internet, Boletim do Portal Família,art. 421, Internet, portaldamília.org., acesso 01.03.2009.Recebeu o título de Doutora em Humanidades da Universidade de Washington e a Medalha Presidencial da liberdade em 1983, a mais alta condecoração dos Estados Unidos. E na antiga União Soviética, em 1987, ela foi condecorada com a Medalha de Ouro do Comitê Soviético da Paz.

Destaque-se que lhe foram concedidas passagens gratuitas em todas as linhas aéreas do mundo, sendo que começara antes tendo essa gratuidade nos bondes, trens e ônibus de Calcutá e de toda a índia. O nome dela era Inês (Agnes) Gonscha Bojaxhiu (depois recebeu o nome Madre Teresa de Calcutá), nascida a 26.08.1910 em Skopije, entre a Albânia e a antiga Iugoslávia. Sua família pertencia a uma minoria albanesa, mas ela nunca morou na Albânia.

As revistas Times e Paris Match dedicaram a ela reportagens de capa tendo como título “Ainda há santos”!

Lecionou ela certa vez: “se houvesse pobres na lua, iríamos lá. O que conta não é o que fazemos, mas o amor que pomos no que fazemos”. Em seu cartão de visitas, impresso em papel amarelado, se lia:

The fruit of silence is prayer
The fruit of prayer is faith
The fruit of faith is love
The fruit of Love is Service
The fruit of Service is Peace
.

O que significa em Português simples e correto:

“O fruto do silêncio é a oração; o fruto da oração é a fé; o fruto da fé é o Amor; o fruto do Amor é o Serviço; o fruto do Serviço é a Paz”.

Assim sendo, com essa memorável lição de vida e de fé, fecha-se esta nossa homenagem ao Dia internacional da Mulher neste março de 2009, em Salvador, Bahia. P A X !

Perfil: *Adão de Assunção Duarte
Professor, Juiz Federal aposentado, advogado, escritor, autor artigos publicados em jornais de grande circulação na Bahia.

Leia também:
Simplesmente mulher

Imagem: http://www.dreamstime.com/free-photos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Anjos do Toque

Toques Iluminados e Amigos